11/10/2008 - Sactor e Epidemic, no Woodstock Music Bar
Ver fotos

Sábado à tarde costuma ser um porre, sem nada pra fazer, e eis que o Woodstock voltou a abrir suas portas para eventos barulhentos nesse horário - atitude louvável e que, esperamos, tanto público como as bandas saibam aproveitar melhor mais esse espaço, que foi cancelado há um tempo devido à pouca freqüência. Só cabe a nós não deixar isso acontecer de novo! Ah, e fica a dica: cerva Guitts (tá, não é exatamente o néctar dos deuses, porém…) a preço de pinga!

A conta indicava 3 bandas pra essa tarde, mas o Iced Earth cover não pôde comparecer devido a problemas do guitarrista, se não me engano - uma pena, pois assisti os caras uma vez e gostei. Assim, os caras do Epidemic subiram ao palco primeiro. Mandaram apenas covers de medalhões do thrash (Slayer, Sepultura, Metallica…) e heavy (Motörhead) com convicção, mas deram umas escorregadas aqui e ali em sons de execução simples - e tranqüilo quanto aos que exigiam mais, vai entender. Só cuidado com a "embromation", e destaque ao baixista, que realmente manda muito bem.

Fiquei sabendo que o vocal/guitar tem uma outra banda autoral em Valinhos, então aguardo a oportunidade de assistir esse trampo ao vivo, uma vez que sempre considerei covers importantes para o músico aspirante aprender a tocar e sentir mais segurança/intimidade com seu instrumento, mas ficar nessa pra sempre é desperdício de energia e talento - por mais que tenha benefício$.

Pra fechar conta, o Sactor também de Valinhos põe o time em campo para detonar seu thrash totalmente raivoso. Já tinha assistido o trio antes e, depois dessa tarde, já posso afirmar com toda convicção: é a melhor banda de thrash metal em atividade na região. Apesar de estarem começando a construir sua reputação e ganhando experiência ao vivo, Jão (G/V), Leonardo (B/V) e Rambo (D) já mostram identidade e, principalmente, uma enorme maturidade em suas composições.

Os sons são verdadeiros coices na melhor tradição da velha escola germânica: precisos, com vocais se alternando entre os sons, covers tirados com precisão (dedicaram até a "Tired And Red", do Sodom, a este humilde escriba) e mostrando identidade. Não é exatamente o lance mais original do mundo, mas considerando que sempre estão com sons agendados e o que já mostram no pouco tempo de carreira, aposto minhas fichas num futuro muito promissor dos caras. Thrash/crossover como todo deveria ser: sujo, violento, escroto e sem tempo pra respirar ou dar pulinhos!

Uma ótima pedida essas matinês noise do Woodstock, que na verdade foi bem melhor que o outro evento que assisti à noite: só falta, repetindo, o pessoal prestigiar e valorizar essa ótima opção de entretenimento nas bucólicas tardes campineiras… a lamentar, como o leitor deve perceber nas fotos, só mesmo a horrível camisa que o Rambo colocou pra estragar a bateria - mas tá valendo assim mesmo! :)

Glauco "Sarco"
Grupo Metal Rise

 


Site criado por Suzana de Oliveira